fbpx

IRMÃO DE LUIS MIRANDA DIZ À PF QUE TROCOU DE CELULAR E NÃO TEM CONVERSAS SOBRE PRESSÃO POR COVAXIN. Deixe um comentário

Ao lado do irmão, o deputado Luis Miranda (à dir.), Luis Ricardo Miranda foi ouvido pela CPI da Covid. | Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Um dos pivôs do chamado “caso Covaxin”, o servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda, irmão do deputado federal Luis Miranda (DEM-DF), afirmou em depoimento à Polícia Federal (PF) que não guardou o back-up com as supostas conversas que mostrariam que ele foi pressionado por superiores para facilitar a compra da vacina indiana Covaxin, contra a covid-19. As informações são da colunista Bela Megale, do jornal O Globo.

Em seu depoimento à PF, o servidor da Saúde teria dito que fez os prints (fotos digitais) das mensagens e encaminhou o material ao irmão deputado — os prints também não foram apresentados aos policiais. Luis Ricardo afirmou que trocou o celular, o que surpreendeu os investigadores.

Durante a oitiva, o servidor também disse que não gravou a conversa com o presidente Jair Bolsonaro a respeito das suspeitas de irregularidades nas negociações para a aquisição da Covaxin pelo Ministério da Saúde.

Comentários